ABRIL 2011

 

 

Fazal Abbas – Karachi / Paquistão

O que você faz para saber quais mensagens deseja transmitir quando está escrevendo?

 

Quando estou escrevendo, não existo como indivíduo, transcendo minha pessoa para me tornar meu "eu" real. Eu me torno minha essência. Durante a escrita sou receptivo a uma inteligência maior. Os diálogos que comunico me alcançam intuitivamente, e continuam por alguns meses ou até anos em meus pensamentos antes de serem escritos. Uma vez que decido descrevê-los, apenas preciso direcionar minha audição para o interior, e minha imaginação me mostra em detalhes as personagens e circunstâncias que trazem à luz meus diálogos.

 



Giovanni Pugliesi – Palermo / Sicília

O que o Amor Universal significa para você?

 

A palavra amor vem facilmente aos lábios e geralmente em contextos totalmente diferentes. Ainda que traços do amor universal possam estar presentes aqui, geralmente as ações resultantes são de um nível intelectual e emocional e não do amor que flui da nossa mais profunda essência. Nossa visão sobre o amor continuará limitada enquanto apenas enxergarmos a vida no nível do materialismo, devido a isso somos capazes de agir de modo egoísta. Por exemplo, podemos sentir amor por nossa família e termos a capacidade de sacrificar a nós mesmos por uma boa alimentação e saúde para nossos filhos, mas enquanto isso dificilmente prestamos atenção aos filhos dos outros que estão passando fome ou sendo abusados. É apenas quando vivemos a vida em um nível espiritual que nossa consciência elevará a si mesma sobre a questão e que podemos vivenciar o amor universal. A característica desse amor é a vontade de ajudar nossos amigos seres humanos a desenvolverem a si mesmos, e que quanto mais amamos outros seres – humanos, animais ou plantas – mais somos capazes de amar a nós mesmos.

 



Brahim Chkiri – Marrakech / Marrocos

Qual é sua posição sobre a ideia de adaptar seu primeiro livro para o cinema? E qual dessas duas mídias seria mais ideal para a reflexão de sua opinião?

 

Se fosse possível o filme ser feito com respeito e apreciação das mensagens formuladas no livro, então eu teria apenas felicidade nisso. Considero a narrativa literária e a cinematográfica igualmente significativas para a reflexão. A diferença poderia ser que a literária tem maior apelo à imaginação do leitor. O filme impõe suas próprias imagens à imaginação. Mas, uma comparação de ambos os estilos continua possuindo avaliações individuais. Entretanto, esta avaliação é interessante, pois pode nos ajudar a ver melhor que tipo de arte nos encoraja mais a questionar e refletir. O propósito desta comparação então não seria determinar qual o melhor, o filme ou o livro, mas descobrir se somos leitores ou espectadores.

 



Joan Hayes – Londres / Inglaterra

Quão livre é nosso livre arbítrio dentro do conceito de destino?

 

A vida consiste em um fluxo de evento e a qualquer momento deste processo, possibilidades são oferecidas, e podem ser aceitas ou não. Estes eventos nunca são idênticos, mas elas sempre possuem algo em comum como todos os eventos mostram certa continuidade. Então podemos dizer que a vida cria a mudança e a continuidade simultaneamente e que as escolher podem ser feitas com a transição de um evento para o outro. Podemos aceitar certos elementos e rejeitar outros. Devido a esta ininterrupta série de decisões, nos desenvolvemos e construímos nosso livre arbítrio. O destino não nos força a nada; isto destruiria nossa autenticidade e liberdade. Ao contrário, o destino nos oferece um convite permanente ao auto desenvolvimento e realização.