ABRIL 2013

 

 

Zanthe Georgiades - Chania / Grécia


Porque há tanta violência no mundo?

 

Violência no mundo é o resultado da tendência que temos a formar grupos, quer eles sejam nacionais, religiosos, raciais ou qualquer outro. Estes grupos são criados em diferenças imaginárias, designadas para permitir mais grupos restritos a se apropriarem do poder. Defender estas diferenças é a causa principal da violência, desde que cada grupo define a si mesmo de acordo com suas diferenças acentuadas.

 


 

Pedro Gonzalez – Cidade Guayana / Venezuela


É com grande admiração que eu leio seu livro, baseado principalmente nos diálogos. Em sua opinião, qual é o segredo de um bom diálogo?

 

Um bom diálogo é definido por um sentimento de boa vontade por parte dos interlocutores; a vontade de honrar a verdade acima de tudo. O verdadeiro desejo de aprender é manifestado pela escolha do interlocutor de “desaparecer”. Quando este desejo de humildade esta presente em ambas as partes, não há mais um locutor, ou ouvinte, apenas observação sem opiniões ou conclusões, apenas duas mentes juntas tentando trazer a luz ao que é verdade e justo.

 


 

Christian Dufour - Namur / Bélgica


Você tem uma preferência clara por pensamentos intuitivos a intelectuais. Mas não é o intelecto humano o qual produz o estado de consciência como conhecemos agora?

 

Enquanto o pensamento é considerado uma ferramenta exploratória, está sendo usado corretamente. Quando nós usamos isto como a única ferramenta para julgar, nós criamos divisões. Estas divisões automaticamente dão elevação a futuros conflitos, desde o momento em que deixamos nossos preconceitos prevalecerem, nós criamos dualidade. Aqueles na busca pela evolução da consciência devem ser aptos a explorar com uma mente aberta. Eles devem estar aptos a ouvir e considerar todas as opiniões sem rejeitar ou aceitá-las. Quando nós tentamos defender um ponto de vista particular, baseado em nosso intelecto, o qual foi adquirido antes de começar nossa exploração, esta exploração não tem significado, e nenhuma evolução da consciência é possível.

 


 

Nanako Takahashi - Nagoya / Japão


Você realmente tem o livre-arbítrio?

 

Cada passo em direção a uma consciência mais elevada nos tornamos um pouco mais livres. Quando nos tornamos cientes de quem realmente somos, existimos fora de nossos pensamentos, nossas emoções e especialmente nosso passado, do qual somos prisioneiros, nós vemos o mundo exterior com mais clareza, ambos a violência e o amor onipresente nos cercam. Nossas escolhas são menos influenciadas por nosso caráter e por nosso desejo primitivo. Escolhas livres se tornam mais uma conquista gradual na autonomia de escolher, ao invés de um estado estático e estável.