ABRIL 2014

 

 

Pedro Cazorla - Zaragoza / Espanha

 

Como podemos nos livrar de quaisquer sentimentos de ódio que talvez direcionamos a outras pessoas?

 

Se desejamos que haja paz no mundo, é necessário que haja paz interior em nós mesmos. Nós alcançamos esta paz interior quando percebemos que nenhuma outra pessoa (s) é responsável pelos eventos/situações desagradáveis da vida e deste mundo. A sociedade nos ensina ao contrário; que sim, que deve haver pessoas responsáveis para culpar... Mas a verdade é que o mundo recria a si mesmo a todo o momento de uma maneira autônoma. Esta atitude de “culpa”, que fomos ensinados, não nos deixa ver as reais causas dos nossos problemas, que as fontes são encontradas dentro de nós mesmos. Ao invés disso, preferimos julgar e deixar nosso ego encontrar as justificativas ou argumentos que parecem confirma-los. Cabe a nós analisar nosso julgamento examinando a fonte da qual eles aparecem.

 


 

Pascal Beaudry - Gatineau / Canadá

 

O que você pensa sobre carma e reencarnação?

 

Cada alma vem a este mundo como um corpo e mente com grande quantidade de ligações e desejos ainda não preenchidos. Identificações feitas por cada recém-nascido com seu novo corpo, cultura, ambiente e tudo o mais que sua personalidade se identifica, constituem uma nova série de ligações e desejos que ele almeja preencher. O que chamamos de “carma” são todos esses elementos combinados, que é a programação base de nossas vidas e definem nossas intenções, desejos, escolhas e com estas escolhas, lições que toda vida nova trás.

 


 

Jeronimo de Valenzuela - Monterrei / México

 

Como podemos parar de ouvir vozes estranhas ou experimentar outros fenômenos inexplicáveis?

 

Os fenômenos de natureza desagradáveis vêm dos nossos medos e se repetirão pelo tempo que os medos persistirem. Quando nos tornamos cientes que são nossos medos que são as raízes do fenômeno estranho, uma mudança ocorre em nosso nível de consciência e estes sintomas desaparecem naturalmente. Em paralelo a esta questão, podemos levantar outra questão: Estes fenômenos estão mesmo acontecendo? Discutir isso é de pouca importância desde que saibamos que cada pessoa percebe o mundo de maneira única, de acordo com sua realidade. O que importa é desenvolver para uma realidade maior. Como? Reconhecendo que somos a todo tempo em nossas vidas simultaneamente criadores, observadores e atores desse nosso mundo. Este entendimento elimina todas as formas de separação e mostra que nada ou ninguém, exceto nós mesmos, é responsável pelas experiências que estamos passando.