NOVEMBRO 2012

 

 

Lara Michael – Tucson / Arizona


Quais são seus pontos de vista sobre o medo, e o medo atrasa nosso crescimento espiritual?

 

Crescer espiritualmente também implica que nós nos deparemos, e aprendamos com, o lado mais sombrio da nossa natureza. Lidando com o lado mais sombrio, como no caso com o medo, pode ser visto como uma luta com as forças que impedem nossa reunificação com a força criativa maior do universo. Enquanto nós progredimos no nosso caminho espiritual, nós iremos, inevitavelmente nos deparar com o medo e outras energias negativas, mas estas inibitórias, e às vezes, destrutivas forças tem um papel maior dentro da ordem universal. Uma vez que aprendemos a conquista-las, nós nos tornamos mais atentos aos nossos dons e talentos específicos. Tudo é energia, e o que percebemos como força destrutiva, também são uma forma de energia, e como todas as energias, elas podem ser usadas tanto de maneira construtiva como de maneira destrutiva. Se nós nos permitimos a observar com uma mente calma e curiosa, ao invés de nos permitir de sermos tomados por emoções negativas que estas forças sombrias podem trazer à tona, então estas forças se tornam úteis e uma ferramenta de aprendizagem para nosso crescimento espiritual.

 


 

Ion Bucur – Baia Mare / Romênia


Você fala bastante sobre a evolução da humanidade, mas eu sinto como se vivêssemos em uma era de regressão, uma era de grandes perdas de valores importantes.

 

O que é perdido no nível do físico é ganho no nível da verdadeira Essência. A Essência nunca desaparece, o que tem valor verdadeiro subsiste para sempre. Cada experiência direta com a natureza transitória do físico nos dá uma nova oportunidade de apreciar o que possui real valor e nos ajuda a discernir a Essência do temporário ou ilusório – o que perpetuamente muda e não dura. Isto nos ajuda a reconhecer e apreciar o atemporal, o qual foi, e que sempre será.

 


 

Pascale Le Verger – Bilic / França


Como nós nos condicionamos, e nós poderemos um dia nos libertar disto completamente?

 

Não importa onde você está ou for, nós carregamos conosco uma imagem de nós mesmos. Nós criamos e recriamos esta imagem baseada em nossos pensamentos, palavras e ações. Esta imagem foi progressivamente instalada em nossas mentes pela influência da nossa cultura, educação, tradições, nacionalidade, e todas as coisas que nos identificamos. Com o tempo, nós desenvolvemos certos hábitos e certa estrutura de pensamentos que é a origem dos nossos padrões de comportamentais, os quais são muito difíceis de libertar. Nossas escolhas, porém, se tornam muito restritivas e nossos hábitos se tornam as fronteiras do nosso mundo. Liberdade desta condição apenas pode ser feita ganhando consciência de como nossos pensamentos são formados, especialmente os pensamentos negativos persistentes, com os quais nós temos nos identificado.

 


 

Antonio Angiolieri – Florença / Itália


Qual sua opinião sobre psicanálise?

 

Querendo saber mais sobre nós e as situações do passado que tenham contribuído para fazer de nós o que somos agora, não é por si mesma, uma curiosidade prejudicial. No entanto, é importante manter em mente que a informação que obtivermos de cada sessão, nos permita saber mais sobre nós mesmos, o conteúdo baseado no ego, e não nosso verdadeiro eu. Psicanálise é um primeiro passo. Se nós queremos saber quem somos verdadeiramente, nós temos que nos submeter a um passo adiante, e que é deixado para trás este conteúdo do ego uma vez que nós reconhecemos isto pelo o que ele é.