SETEMBRO 2011

 

 

Arne Gaarder - Oslo / Noruega


Qual a sua compreensão do nome: Deus?


A palavra "Deus" refere-se a algo que é factualmente inexpressível e, portanto, sempre fica aquém. Por ter sido violado e mal utilizado por milhares de anos, tornou-se quase sem sentido. O conceito que a maioria se refere a Ele é de "o mistério". Ao usar este termo quando nos referimos a Deus, temos em mente que estamos nos referindo ao que se passa além da mente. Eu mesmo, dou ao mistério um grande espaço na minha vida, ao apenas permanecer receptivo para a inspiração correta, com humildade suficiente. Quando as pessoas não podem dar um espaço ao mistério e assumem que a sua mente pode abranger tudo o que é, eles fecham-se a qualquer forma de inspiração maior e só se identificam com o que pensam. Este é o motivo pelo qual tantas pessoas criam um mundo de ilusões, conceitos, teorias, doutrinas e julgamentos que ficam no caminho de qualquer relação verdadeira. Tanto entre eles e os seus seguidores quanto entre eles e "Deus".

 


 

Yash Voltory - Port Louis / Maurício


Há tanto a aprender com os chamados "povos primitivos", especialmente da sua relação com a natureza. O "Ocidente Desenvolvido" poderia aprender muito com eles se fossem menos arrogantes. Eu adoraria ler sua opinião sobre este assunto.


Eu entendo sua frustração e só posso concordar com suas palavras. Esta situação é lamentável e, de fato, já foi responsável pela perda de conhecimentos importantes. A diversidade biológica que encontramos na natureza encontra a sua continuação na diversidade cultural dos povos. Manter essa diversidade pode ser tão importante para a conservação do meio ambiente como para o futuro da nossa espécie. Assim, existem muitos aspectos da nossa chamada "culturas subdesenvolvidas" que ainda não foram totalmente conhecidos ou compreendidos. Nestes tempos, em que há uma grande perda de valores e sérios danos à natureza, essas culturas podem nos dar indicações para a construção de novas culturas que tenham mais espaço para o sentimento e a ordem e que cada pessoa tenha a perspectiva de um destino melhor.

 


 

Jenny Lopez Beltran - Ciudad Obregón / México


Você está tentando propagar novas percepções sobre a verdade universal através da sua escrita?


Não há nenhuma verdade universal que já não esteja presente em cada célula de cada ser humano. Quando um leitor chega a uma certa percepção lendo meus escritos, não é mais que a consciência de um reconhecimento de algo que já estava presente no interior. Assim, uma nova percepção nunca é realmente nova, não importa como ela foi criada. É apenas uma lembrança de algo que aparentemente tinha sido esquecido, mas que é capaz de provocar uma mudança de consciência e pensamento.

 


 

Anupama Garg - Kanpur / Índia


Práticas xamânicas, ao menos rituais que merecem este nome, são uma expressão da cultura específica da qual o xamã faz parte. No entanto, todos eles são aparentemente capazes de criar estados de consciência semelhante. Como isso pode ser explicado?


Primeiro um pouco sobre conceitos como "xamã" e "xamanismo". Hoje, esses nomes são muito usados para diferentes expressões culturais e tipo de profissionais que estão ameaçados de perder seu valor. Xamãs são pessoas que assumem que existe uma realidade atemporal, inteligente e complexa que não esta diretamente acessível para todos, mas que não é totalmente estranha porque ele se sobrepõe parcialmente ao mundo normal e ambos os mundos são dependentes um dos outro. Usando certas técnicas um xamã é capaz de deixar parte de sua viagem existêncial nesta outra realidade. O que esta outra realidade se parece e quais técnicas são utilizadas, de fato, diferem de cultura para cultura, mas também existem semelhanças entre elas. Especialmente o uso de tambores, mas também a dança, o jejum, sudorese, meditação e, por vezes, o uso de plantas de expansão da mente. Fato é que quando o xamã está imerso em seu ritual, ele deixa sua história de lado e de certo sentido também as limitações da sua própria cultura. Desta forma, ele atinge um estado de consciência em que se torna consciente de energias invisíveis e inteligentes, na qual um novo caminho de conhecimento se abre para ele, dependendo de seu coragem e sua perseverança.